A insegurança quanto ao regime jurídico x Dever de legalidade

Contratação diretaContratos AdministrativosLicitaçãoPlanejamento

Nos últimos dois posts falamos das dificuldades decorrentes da amplitude da legislação, da insegurança em relação a adequada compatibilização de todas as eis e atos cabíveis para determinado caso, bem como da problemática em torno da falta de clareza dos enunciados legais e das lacunas que o regime jurídico oferece.

Para terminar a abordagem das problemáticas enfrentadas pelos agentes públicos em torno da aplicação do regime jurídico, queremos citar a insegurança que esse emaranhado de leis e atos traz.

Ora, não bastasse a própria existência de uma quantidade enorme de leis e atos ser suficiente para causar inquietação, temos que considerar que esse volume gera, como consequência, outras inseguranças, como as dúvida quanto a vigência da lei ou ato e quanto à sua atualização, bem como a dúvida em torno de se ter elegido realmente toda a legislação pertinente e aplicável ao caso. Em termos simples: o agente público invariavelmente tem a ‘pulga atrás da orelha’.

Sabe-se que uma realidade do ordenamento jurídico brasileiro é legislação em constante alteração. As situações fáticas estão em constante mutação e a legislação se altera constantemente para acompanhar a realidade. Altera-se ora para prever uma situação antes não prevista, ora para adaptar o texto a uma realidade já consolidada no dia-a-dia, ora para corrigir o próprio texto. Enfim, a legislação se atualiza, se altera e inova continuamente e a atuação do agente deve sempre estar de acordo com a legislação vigente.

Mas nem sempre é fácil ter certeza quanto à atualidade da legislação que o agente tem nas mãos. Esse problema parece distante quando falamos de Leis ou atos de alcance nacional ou mais abrangente, ou afetos a órgãos com uma organização legislativa mais avançada, pois basta acessar sítios legislativos de confiança na internet e tudo estará resolvido.

Você também pode gostar

Porém, se voltarmos aos primeiros posts dessa série lembraremos que o regime jurídico da contratação não é formado apenas da Lei nº 8.666/93 ou da Lei nº 10.520/02, de fácil alcance e acesso atualizado. Lembre-se que o regime jurídico da contratação pública é feito de muitas Leis, Decretos, Instruções Normativas, Portarias, Resoluções, etc. etc., que devem ser aplicadas concomitante e harmoniosamente.

A amplitude é tamanha que  muitas leis ou atos sequer são de conhecimento do agente público ou quando chegam a seu conhecimento, chegam tardiamente, longe da rapidez e a agilidade que a atuação responsável pede e que o dever de agir com legalidade exige.

E, nesse ponto, vale relembrar algo que já foi levantado: o agente público não pode deixar de cumprir a Lei alegando que a desconhecia. Também de modo algum pode aplicar um ato normativo que não está mais vigente.

Mais uma vez concluímos que o dever de legalidade exige informação – de qualidade, atualizada, confiável e disponível!

Nos próximos posts, para concluir a parte dessa série que fala do regime jurídico, e, por conseguinte do dever de observa-lo, isto é, do dever de agir com legalidade, o abordaremos especificamente, explicando, afinal, o que é agir com legalidade, na nossa concepção, uma vez que até o momento apenas afirmamos que ele não é ‘agir de acordo coma lei’.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores