A ideologia não é solitária, não é utopia e nem sonho! É realidade e a evolução é breve e possível: já existem e vamos criar mais setores específicos de contratação pública!

LicitaçãoPlanejamento

Há algumas semanas publicamos um post sob o título ‘Utopia, sonho ou mera ideologia solitária: temos urgentemente que reconhecer a necessidade de criar setores específicos de contratação pública. Prefiro acreditar que se trata de uma realidade breve e possível’ (http://www.zenite.blog.br/utopia-sonho-ou-mera-ideologia-solitaria-temos-urgentemente-que-reconhecer-a-necessidade-de-criar-setores-especificos-de-contratacao-publica-prefiro-acreditar-que-se-trata-de-uma-realidade-breve-e/#.UlxPB1c2cXU), onde exploramos basicamente a necessidade de a Administração contar com um setor ou mesmo um órgão especializado em contratação pública.

O retorno obtido de alguns caros leitores deste blog foi muito satisfatório e importante, o que me levou a dar continuidade na discussão, não mais para ver a ideia como uma ideologia solitária, um sonho ou uma utopia, mas sim como o esperançoso título anterior concluiu: uma realidade possível.

Sim, felizmente muitos órgãos já têm reconhecido a importância e a instrumentalidade vital do processo de contratação pública e, portanto, a necessidade de um setor específico para essa finalidade e possuem uma equipe que atua conjuntamente, possui várias habilidades, é multitarefa, partilha das mesmas informações, compartilha conhecimento e, especialmente tem dimensão da responsabilidade e da importância da atividade que exerce, nessa árdua tarefa de viabilizar o uso de recursos públicos de modo regular e eficiente.

Nessa mesma toada, há poucos dias o Tribunal de Contas da União – TCU  publicou o Acordão nº 5.601/2013 – 2º Câmara que, de certo modo, chama a atenção para essa realidade:

“Ementa: recomendação à Fundação Universidade Federal de Mato Grosso para que aprimore os procedimentos de controle quanto aos processos licitatórios, atinente ao estabelecimento de normas e de procedimentos prevendo sistemas de autorizações e aprovações, linhas de autoridade definidas, práticas operacionais e rotinas para o setor de licitação; de padronização no processo de cotação de preços para estimativa do valor a ser contratado; de comparação dos preços licitados com outros vigentes em atas de registro de preços de órgãos públicos; e de segregação das funções de pregoeiro e de fiscal de contratos (item 1.9.1, TC-040.392/2012-0, Acórdão nº 5.601/2013-2ª Câmara).

Como visto, o Acórdão vai ao encontro da abordagem proposta no post referido, no sentido de se ter procedimentos, sistemáticas, alinhamento, segregação de funções, capacitação de servidores, etc. Tudo isso, já se disse, é mais fácil e possível quando se atua dentro de um mesmo setor ou órgão, com estrutura autônoma, diretrizes e procedimentos próprios, especialização e domínio do tema.

Assim, percebe-se dos depoimentos colhidos e da jurisprudência nesse sentido, que a realidade é bastante promissora e esperançosa. Façamos nós a nossa parte, contribuindo com ideias e informação de qualidade para auxiliar nesse processo de transformação e evolução de uma Administração Pública que há muito se quer e se espera!

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores