A base de cálculo para incidência do reajuste por índices

Contratos Administrativos

A Lei nº 10.192/2001 prevê a possibilidade de os órgãos e entidades da Administração Pública reajustarem seus contratos. O art. 55, inc. III, da Lei nº 8.666/93, por sua vez, fixa a obrigação de a Administração Pública adotar para seus contratos administrativos critérios de reajuste que retratem a efetiva variação dos custos de produção que impactarem sobre estes ajustes, possibilitando ainda a adoção de índices específicos e setoriais.

Ocorre que apesar de permitir a adoção do reajuste por índices, a legislação se omite no que diz respeito a fixação de uma base de cálculo para a utilização desses índices.

Imaginemos agora um contrato, silente no que diz respeito a essa base de cálculo, e do qual se retire as seguintes características: a) valor inicial de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais); b) 2 (dois) anos de prazo de execução; c) índice de reajuste de 5% (cinco por cento). Por fim, imaginemos que a Administração realize o reajuste deste no contrato decorrido 1 (um) ano da data do orçamento ao qual a proposta da empresa contratada se refere, e que esta última já tenha executado 50% (cinqüenta por cento) do objeto do ajuste e recebido o pagamento equivalente.

Nesse caso, qual seria a base de cálculo para incidência do índice de reajuste? O valor nominal do contrato ou o montante referente a parcela ainda não executada do objeto?

Você também pode gostar

Uma primeira opção seria aplicar o índice de reajuste sobre o valor contratual equivalente a parcela ainda não executada do objeto, alegando-se que a parcela já executada está quitada, não sendo possível reajustar valores que já foram pagos pela Administração.

Logo, no caso hipotético proposto, teríamos o índice de 5% (cinco por cento) incidindo sobre o valor equivalente à metade do objeto ainda não executada, ou seja, R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais), o que resultaria num reajuste de 25.000,00 (vinte e cinco mil reais).

Outra alternativa seria tomar por base de cálculo o valor nominal do contrato, sob o pretexto de que o reajuste de preços possui a função de realinhar a equação econômico-financeira do contrato desequilibrada em virtude dos efeitos de um ano de inflação.

Nesse caso, o índice de 5% (cinco por cento) não incidiria sobre R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais), mas sobre R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais), equivalentes ao valor nominal do contrato, culminando num reajuste de R$ 50.000,00 (cinqüenta mil reais).

O Manual de Licitações e Contratos disponibilizado no web site do Tribunal de Contas da União (Fonte: portal do TCU) traz exemplos de fórmulas de reajuste que tomam por base o valor original da proposta apresentada pelo licitante vencedor do certame.

E o que você, cliente Zênite, acha do assunto? Qual destes critérios lhe parece mais razoável? Seria possível propor outros critérios além destes?

Continua depois da publicidade
9 comentários
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google
Carregar mais comentários

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores