A Administração deve fixar prazos de pagamento e penalidades por atraso nos contratos firmados! Confira os termos da decisão do TJ/MG.

Contratos Administrativos

Cuida-se de apelação cível e reexame necessário em face de sentença que julgou procedente o pedido de hospital para que município fosse compelido “a fixar prazos de pagamento e penalidades por atraso nos contratos firmados entre as partes, em razão de atrasos reiterados no cumprimento das obrigações pelo ente público”.

A relatora inicia a análise informando que há diversos contratos firmados pelo município com o hospital da Santa Casa, para prestação de serviços de saúde, mediante contraprestação financeira. O hospital sustentou na ação que “não constou das avenças as datas em que o Município deveria proceder ao pagamento dos valores, nem foi fixada multa ou penalidade pelo atraso no pagamento, o que deu abertura à inconstância dos repasses. Os reiterados atrasos nos pagamentos estariam prejudicando a continuidade da prestação dos serviços de saúde, bem como resultando em atrasos no pagamento dos funcionários, o que teria dado ensejo à fixação de altas multas pelo Ministério do Trabalho, cujo pagamento inviabilizaria o funcionamento da Santa Casa e resultaria no fechamento das portas”.

Esclarece a julgadora que, “embora esteja prestando serviço público, o contratado não pode ser onerado com obrigação desproporcionalmente onerosa ou totalmente desprovida de garantias. (…) Na execução do contrato administrativo a Administração nivela-se ao particular, de modo que a cada obrigação deste corresponde um direito daquela, e vice-versa, segundo as cláusulas contratuais e as normas pertinentes”. Ressalta que, “inobstante os contratos e convênio objetos da lide terem sido celebrados com base em processo de inexigibilidade de licitação (…), é certo que as disposições constitucionais da Lei de Licitações, bem como os princípios da legalidade e do equilíbrio econômico financeiro do contrato, devem reger todas as contratações do poder público” e acrescenta que “as prerrogativas de que a Fazenda Pública dispõe não podem servir para colocar o particular que com ela contrata em situação de absoluta e desproporcional insegurança, sujeito a arbitrariedades, sendo necessária a fixação clara dos limites das obrigações e dos direitos nos instrumentos contratuais”.

A relatora conclui seu voto afirmando que, após a concessão da liminar, as partes firmaram contrato e convênio fixando de forma clara o prazo para pagamento das obrigações a cargo do município, bem como definindo multa a ser paga pelo ente público em caso de inadimplemento e, quando da confirmação da liminar pela sentença, o ente público sequer apresentou recurso contra esse ponto, “o que leva a crer que não esteja sendo prejudicado desmesuradamente com a pactuação levada a efeito, devendo ser mantida a sentença”, sendo confirmada a sentença no reexame necessário. No tocante à apelação do município para reduzir os honorários advocatícios, a relatora concluiu que não se mostra elevado o valor fixado pelo juízo de primeiro grau, devendo ser mantido, no que foi acompanhada pela turma da 4ª Câmara Cível. (Grifamos.) (TJ/MG, AC nº 1.0518.14.001831-9/002)

Nota: Esse material foi originalmente publicado na Revista Zênite – Informativo de Licitações e Contratos (ILC). A Revista Zênite e a Zênite Fácil trazem mensalmente nas seções Jurisprudência e Tribunais de Contas a síntese de decisões relevantes referentes à contratação pública. Acesse www.zenite.com.br e conheça essas e outras Soluções Zênite.

Continua depois da publicidade
Seja o primeiro a comentar
Utilize sua conta no Facebook ou Google para comentar Google

Assine nossa newsletter e junte-se aos nossos mais de 100 mil leitores

Clique aqui para assinar gratuitamente

Ao informar seus dados, você concorda com nossa política de privacidade

Você também pode gostar

Continua depois da publicidade

Doutrina

A LINDB esvaziada

Não é novidade que o aparato de controle e de repressão da Administração Pública nunca se animou com as alterações promovidas na LINDB pela Lei n. 13.655/2018. Tanto é verdade...

Colunas & Autores

Conheça todos os autores